• Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube

Diego Guimarães quer isenção de IPTU e ISS para empresários prejudicados com decretos da pandemia

O vereador Diego Guimarães (Cidadania) que assumiu a presidência da Comissão de Indústria e Comércio da Câmara Municipal vai discutir junto a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e outras associações a isenção do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e do Imposto Sobre Serviços (ISS) de empresários prejudicados com decretos da pandemia da covid-19.

“Queremos garantir que a Comissão de Indústria e Comércio atenda todas as demandas que forem solicitadas pelo setor e assim promover um cenário que seja fértil para que o comércio se desenvolva. Com isso, teremos uma cidade prestadora de serviço, mas que gera emprego, renda e garante para esses empresários um ambiente favorável para manter seus negócios”, explica Diego.



Em reunião com a diretoria da CDL na manhã desta terça-feira (9) na presidência da Casa de Leis, o vereador explicou que algumas pautas concernentes ao setor de eventos são mais urgentes. A ideia é diminuir o impacto da pandemia e a insegurança jurídica nas empresas da Capital.

“É preciso discutir o parcelamento de débitos como IPTU, ISS de empresas que foram prejudicadas por conta da pandemia. E também discutir quanto ao IPTU e ISS desse ano. Vamos então debater isso na comissão para que o Executivo tenha essa sensibilidade e possa garantir o parcelamento ou um desconto parcial quem sabe, uma vez que muito embora muitos empresários tenham pagado o IPTU, mas não conseguiu utilizar o seu patrimônio e manter seu comércio aberto devido à pandemia”, disse Diego durante reunião que contou com a presença do presidente do parlamento, Juca do Guaraná.



O atual presidente da CDL, Célio Fernandes, afirmou que todas as medidas de apoio ao comércio serão bem recepcionadas. De acordo com ele, na pandemia as empresas tiveram prejuízos significativos e consequentemente um furo em relação ao seu fluxo de caixa. Ele ressalta que todas as medidas, como descontos em relação a tributos, prorrogação de prazos, ou até mesmo isenções, seriam de total ajuda.



“Isso vai fazer a diferença entre muitas empresas continuarem existindo ou deixarem de existir. Uma empresa quando permanece existindo, ela segue gerando emprego e arrecadando tributos. Então o papel social da empresa precisa ser pensado também nesse momento de pandemia”, disse Fernandes.

Outras medidas - Diego Guimarães também é autor do projeto de lei que institui o Plano Emergencial de Ativação Econômica no Município de Cuiabá. As medidas contidas no plano têm como objetivo amenizar as consequências e os efeitos econômicos da emergência de saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus, covid-19.



Como medida de ativação econômica, o projeto prevê dispensa da necessidade de Alvará de Funcionamento ou qualquer outra autorização municipal para o exercício de atividades econômicas de baixo risco em propriedade privada própria ou de terceiros consensuais. Além disso, fica autorizada a utilização de até 20% das vagas de estacionamento de Shopping Center regularmente licenciados, para montagem de estruturas temporárias para realização de eventos, atividades comerciais e econômicas.

Para incentivar a adoção do Teletrabalho, a prefeitura fica autorizado a conceder benefício fiscal no ISSQN para empresas que aderirem ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda através da adoção de teletrabalho, na forma de regulamento, visando a aquisição de equipamentos, software, hardware e treinamento necessários à migração para modelo de teletrabalho.



Além disso, o Executivo também poderá conceder benefício fiscal no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), limitado ao valor do imposto de um ano, para os trabalhadores que realizarem adaptações devidamente comprovadas em seu imóvel para viabilizar o exercício da atividade na modalidade home office.

O Executivo Municipal fica autorizado a conceder isenções, deferimentos de prazo de tributos e taxas municipais caso aos estabelecimentos cujo atendimento presencial ao público tenha sido suspenso por determinação do Poder Público, como medida de enfrentamento ao coronavírus. Além disso, o estabelecimento fica isento do pagamento de IPTU enquanto perdurar o Estado de Calamidade Pública no Estado de Mato Grosso.



Fica suspensa a inscrição no CADIN e na Dívida Ativa Municipal os débitos relativos às taxas e tributos municipais vencidas e não pagas no primeiro semestre de 2020, ou enquanto perdurar o estado de calamidade. A prefeitura ainda pode prorrogar o prazo de vencimento de certidões de regularidade fiscal por até 180 (cento e oitenta dias) após a suspensão do Estado de Calamidade Pública no Estado de Mato Grosso.

Sistema de Entregas - Quanto ao incentivo à adoção de vendas pelo sistema de entregas, fica o Executivo Municipal autorizado a conceder benefício fiscal no ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) até o limite da alíquota mínima prevista em lei, e valor equivalente a contribuição dos 12 meses anteriores, para empresas que aderirem ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.



Com isso, haverá a implementação ou aprimoramento de sistema de entregas de produtos, na forma de regulamento, visando à aquisição de equipamentos, software, hardware, treinamento e adoção de medidas protetivas, incluindo EPIs, para entregadores, necessários à migração do modelo de atendimento físico presencial para atendimento virtual e entregas.

DIEGO GUIMARÃES

Praça Barão de Melgaço,
s/n - Centro, Cuiabá - MT,
CEP: 78020-400.
Fone: (65) 3617-1513

® 2021 Por Thayson Claudio

Cuiabá precisa de bons políticos.